Picture
MARCELO NICÁSIO COMEMORA O SEU GOL/FOTO:AGÊNCIA ESTADO
A crise está definitivamente instalada no Atlético-MG, e o responsável por isso é a carroça desembestada do Ceará. Enquanto o time mineiro chegou a sua sexta partida sem vitória no Brasileirão, sendo a terceira derrota consecutiva, e se aproximou da zona de rebaixamento, o Vozão aproveitou a força de sua torcida no estádio Presidente Vargas para engatar a terceira e se recuperar do tropeço diante do Coritiba. Marcelo Nicácio, Boiadeiro e Osvaldo fizeram os gols da vitória por 3 a 0.

O Ceará agora é o 11º colocado no Brasileirão, com dez pontos. No entanto, pode perder até duas posições caso Coritiba e Santos vençam Figueirense e Fluminense, respectivamente. Na próxima rodada, o Vozão enfrenta o Figueira no Orlando Scarpelli, domingo, às 18h30m (de Brasília).

O Atlético-MG, com oito pontos ganhos, encontra-se na 15ª posição, e a situação pode ficar ainda mais complicada. Caso Atlético-GOm Coritiba e América-MG vençam Botafogo, Figueirense e Palmeiras, respectivamente, o time entra na zona de rebaixamento - na verdade, bastam dois dos três resultados possíveis para o Alvinegro mineiro parar no Z-4. No domingo, o time encara o Coelho, às 18h30m (de Brasília), na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.

Começo arrasador

O Ceará começou o jogo de forma avassaladora. No embalo da torcida, que lotou o Presidente Vargas, o Vozão encurralou o Atlético-MG no campo de defesa, não deixando o time mineiro respirar. Logo aos três minutos, abriu o placar com Marcelo Nicácio, que aproveitou rebote de Giovanni, após chute de Thiago Humberto.
O gol não diminuiu o ímpeto dos anfitriões, que continuaram em cima do Galo, usando principalmente o setor esquerdo de seu ataque, onde Vicente dava um baile no jovem Roger. No meio, Thiago Humberto era o maestro do time cearense, acionando os laterais Boiadeiro e Vicente constantemente, e municiando Osvaldo e Nicácio,a dupla de ataque do Vozão.

Pelos lados do Galo, a coisa estava feia. O time era demasiadamente lento na saída da defesa para o ataque. Guilherme, muito isolado, não conseguia prender a bola na frente, o que permitia ao Ceará estar constantemente atacando. O primeiro chute a gol com perigo do Atlético-MG só veio aos 33 minutos, com Renan Oliveira.

A vitória parcial do Ceará na primeira etapa fez justiça ao time que mais procurou o ataque e tentou o gol. O único fato a se lamentar pelos lados do Vozão foi a saída do autor do gol ainda no primeiro tempo. O atacante sentiu uma lesão muscular.

Mais dois para a conta

O segundo tempo também começou movimentado. A diferença é que o Atlético-MG também jogava, não se limitando a ser apenas coadjuvante das ações do Ceará. Se Fernando Henrique foi um espectador privilegiado nos primeiros 45 minutos, na etaá final teve de trabalhar e suar a camisa.

Com a contusão de Guilherme, no fim do primeiro tempo, Dorival Júnior mandou Magno Alves a campo, além de Wesley ter entrado no lugar do pouco produtivo Richarlyson. O Atlético-MG voltou ao 4-4-2 e, se não era brilhante em campo, pelo menos tentava o ataque com mais frequência.

Mas o Ceará continuava pressionando, buscando sempre o ataque e aproveitando os espaços que o Atlético-MG dava para os contra-ataques. Foi assim que surgiu o segundo gol. Vicente cruzou na área, e Boiadeiro empurrou para as redes de Giovanni.

O segundo gol desmontou o Galo, que abriu ainda mais espaços na defesa. Osvaldo aproveitou e fez um golaço, ao driblar dois marcadores em velocidade e tocar na saída do goleiro. Com os 3 a 0 no placar e a vitória assegurada, o Ceará passou a tocar a bola, enquanto o Atlético-MG tentava diminuir o placar desordenadamente. Sem sucesso.


INFORMAÇÕES DO GLOBO ESPORTE

 





Leave a Reply.