Picture
Mauro Filho/Secretário da Fazenda
Fazenda

Tianguá ganhará o primeiro equipamento, afirmou o secretário da Fazenda.


Equipamento será instalado no posto da Sefaz em Tianguá e dará celeridade ao processo de liberação de cargas

Em discussão desde meados de 2008, o primeiro de cinco scanners de verificação de carga nos postos fiscais de fronteira do Ceará, enfim, está chegando ao Estado. O equipamento aportará na próxima segunda-feira, 30 - depois de uma breve parada do navio que o transporta em Salvador, na Bahia - e seguirá para Tianguá, onde será instalado no posto de Queimadas, em junho. A informação é do secretário da Fazenda, Mauro Filho.

Já o segundo scanner, que será móvel, deve demorar um pouco mais para chegar, pois a embarcação que está trazendo o equipamento para o Ceará ainda está em Cabo Verde. Devido a sua mobilidade, poderá circular pelos outras alfândegas e ainda por 35 rotas alternativas identificadas no Estado.

O terceiro scanner, fixo, vai ser instalado no posto de Penaforte. Como o local só deve ficar pronto em outubro, mesmo que o objeto chegue antes desse mês, ficará aguardando a finalização dos trabalhos. Os postos de Mata Fresca (Aracati) e Asa Branca (Crato) também vão contar com a tecnologia.

Os cinco aparelhos foram comprados com recursos federais, por meio do Programa Nacional de Modernização da Gestão, e custaram cerca de R$120 milhões. A partir da chegada dos equipamentos, o Ceará será o primeiro estado brasileiro a contar com fiscalização de fronteiras com essa tecnologia, que nem órgãos como a Receita Federal ainda possui. Os objetos devem trazer resultados positivos tanto para o Estado quanto para as empresas.

Maior arrecadação

Os cofres públicos, por exemplo, ganharão com a redução da sonegação fiscal. A expectativa é que o investimento despendido para a compra dos scanners retorne em no máximo quatro meses, com o retorno na arrecadação cearense. Já para as empresas, a grande vantagem será na celeridade no processo de liberação das cargas nos postos da Sefaz. Atualmente, a espera na fiscalização pode chegar a 48 horas, mas com o aparelho, será reduzida para apenas oito minutos, e com maior eficiência.

A averiguação será reforçada ainda com 16 câmeras de monitoramento, e a própria Secretaria, a partir do posto do Centro, poderá verificar a movimentação de cargas e liberar a entrada das mercadorias. Essa precisão contribuirá para impedir a
entrada de produtos ilícitos.


Informações DN
 





Leave a Reply.